Alexandre Garcia chama Parto Humanizado de Bobagem.

13

No dia 07/05/2010, o jornalista Alexandre Garcia, do Bom Dia Brasil da TV Globo em entrevista à CBN demonstrou ser um profundo desconhecedor dos benefícios do parto humanizado e do direito ao acompanhante.Também  disse que é “uma maluquice” uma pessoa com HIV engravidar.
Fez uma crítica preconceituosa e sem qualquer embasamento sobre as políticas públicas do Ministério da Saúde em relação às gestantes HIV positivas e à humanização do parto.
Pra quem não ouviu nem leu a respeito, em resumo segue áudio e entrevista na CBN.
Transcrição CBN - áudio da entrevista clique aqui
Estado não está cumprindo seus deveres com a Saúde - Sexta, 07/05/2010

Entrevista:
Estevão: Alexandre Garcia, bom dia.

Alexandre Garcia: Bom dia, Estevão.

Estevão: Alexandre, na entrevista que fizemos semana passada com o governador Rogerio Rosso, obviamente, foi destacado durante a conversa esse plano que ele desenhou para a área de saúde... que diz respeito a uma autonomia para os gestores das unidades hospitalares. Só que, criou-se aí um grupo que vai definir o montante que cada unidade de saúde terá, então isso demora né? Quando cria-se esse grupo de trabalho, demora... enquanto isso... o caos impera.

Alexandre Garcia: Demora tanto que o Arruda já tinha anunciado isso. Pois é, o Arruda já tinha anunciado isso, por isso que demora. Até hoje não foi feito, hã. E o que... o problema é de gestão mesmo... não é possível que falte esparadrapo em hospital, e não é só em hospital de base não. Tá faltando tudo em toda parte, falta buscopan, falta soro, falta glicose... falta o básico... coisas... faltam sondas para fazer cirurgia, faltam lâminas de... de... de bisturi. Eu tava conversando agora de manhã com o secretário de saúde e ele me disse ah que eu peguei uma bomba que foi acumulada durante oito anos. Eu disse, ó, seu secretário, tem que romper esse círculo vicioso, o problema é gestão mesmo, tem que resolver essa história... aí, ele... ah... porque a conversa começou, eu criticando... eu disse pra ele assim... olha, eu vi aqui um anúncio do... eu tô criticando essa bobagem do Ministério da Saúde de parto humanizado... será que vão deixar entrar um pai na sala cirúrgica pra infectar a sala cirúrgica? O pai barbudo, cabeludo, bêbado, sei lá o quê, mas enfim... hã... vestido com... com poeira da rua numa sala cirúrgica? Isso é um absurdo. Ah, mas é o parto de cócoras... tudo bem, peça para sua mulher fazer um parto de cócoras pra ver o que vai acontecer com o joelhos dela, não é índia, nã... vão... vão acabar... É um sofrimento. Ah, porque as cesárias... eu disse olha... que ele mesmo concorda que o... o serviço público as cesárias só é feita em último caso... é parto normal normalmente... não precisa ficar anunciando que o hospital do gama vai ter isso. Aliás, o hospital do gama neste momento tá exportando pacientes pra outros hospitais porque anunciaram que tá maravilhoso mas não deve tá tão maravilhoso assim porque muitos hospitais tão exportando pacientes aqui pro plano... plano piloto... que a coisa não tá funcionando direito, nê? Em parte alguma e falta tudo. Agora eu fico me perguntando como o médico vai trabalhar? O ministério da saúde não fez só isso não. O Ministério da Saúde tá estimulando agora pessoa com HIV a engravidar. Eu duvido que o Ministério da Saúde vá fazer uma... uma cesária pela terceira vez numa mulher com HIV e respingar sangue nele pra ver o que vai acontecer. É uma... é uma maluquice. Tão fazendo uma brincadeira com a saúde... Tá lá escrito na instituição a saúde é direito de todos é dever do Estado. O Estado não está cumprindo seus deveres com a saúde... e os problemas são de gestão, são administrativos.

Estevão: Ô Alexandre, nessa conversa que você teve agora pela manhã com o secretário de saúde ele... como você já adiantou é... disse que herdou uma bomba, né? Que está sendo ativada há alguns anos. O que você sentiu dele? Ele tá otimista, tá pra baixo? Isso vai se resolver?

Alexandre Garcia: Ele... ele tá dinamizado, ele tá energizado. Ele tá querendo fazer as coisas. Ele... ele é de carreira, da fundação, ele é médico... é do ramo sim... agora, eu não sei se uma pessoa sozinha consegue resolver isso tudo. Tem que ter muito poder na mão, tem que ter recurso. O governo federal manda recurso, os recursos vão pra outro lugar. Tanto que... o que... o que a CGU nesse momento tá... num... tá recebendo aí o governador Rogério... Rogério Rosso mandou informações... mas...ah... não tão acreditando... porque é um descalabro o que aconteceu aqui... um escândalo vergonhoso, nã?... de dinheiro na mão, dinheiro nas cuecas, dinheiro nas meias... e aí falta pra saúde desse jeito que tá faltando. E que significa vida e morte pras pessoas... eu acredito que isso não é apenas um... um crime de desvio, isso é um crime contra a vida o que está se praticando contra a saúde aqui no Distrito Federal.

Estevão: Alexandre, bom fim de semana, até a segunda.

Alexandre Garcia: Bom fim de semana a todos, até segunda, Estevão.

Devido á estas declarações, houve repúdio dos militantes do movimento de luta contra a aids e claro, as mulheres em rede á maternidade ativa e humanizada como a Parto do Príncipio que redigiu uma carta de repúdio aqui. em que se questiona: “quem está brincando com a saúde?” .

Um desrespeito ás mães brasileiras.

Fontes:
CBN
Parto do Principio
Vi o Mundo
Fisio Doula
Pipocando


* Pra não ficar muito longo o post, volto amanhã para postar os selinhos e contar como foi meu findi, beijo grande á todas.

13 Pessoas Comentaram este Post:

Than disse...

É FOGO. AS OPINIÕES SE DIVERGEM EM QLQ ÁREA, MAS SAUDE GERALMENTE AS PESSOAS SÃO MEIO UNANIMES!
NÃO ENTENDI TB A POSIÇÃO DELE QTO A ISSO!

BJOOOOS

quero muito ter meu bebe disse...

Ola, passei para visitar o seu blog e para lhe agradecer, de coração, pelas suas palavras. Estou torcendo muito por você também..abraços de sua mais nova amiga blogueira..

Renatinha disse...

Nossa Edivania, q coisa feia q esse homem se meteu hein..
Vamos ver se ele tem vergonha na cara e manda uma carta de desculpa!!
bjkas

Eloise disse...

Amiga que cesta linda vç ganhou, não tinha visto...tô meio atrasada nos blogs, pq vç sabe voltei a trabalhar e o tempo ficou curto...Ta com sorte heim kkkkkkk
Deus te abençoe, neste semana
Bjs

rosana disse...

oi amor vim te desejar uma boa semana linda....bjs com carinho

Nanda Ramos disse...

ahiahiahiahiah ele se meteu onde não devia to com dó dele ahahahaha.... agente fala o que quer mas depois que arque com as consequencias

Diário de uma grávida disse...

Olá, agora que vi seu visita e comentário no meu blog...
Que ridiculo esse alexandre hein!!
falou besteira...
bjos

Taly Watanabe disse...

Nossa eu escutei todinho...que absurdooo, que ridiculo, e olha que eu admirava ele..decepcionou totalmente...aff...

luly.bb disse...

Nao entendi direito o q eles opinam disso...
amiga aguardo seu proximo post,super besos.
adoro ver vc na minha casinhaaa! vc me transmite paz sabia?
DEUS TE ABENCOE MTO MTO E LOGOOO COM ESSE BEBEZINHO.

Marcella disse...

Amiga.. que horror desse cara.... ele tem que pensar que por ser um jornalista e ser assistido por várias pessoas ele acaba se tornando formanodr de opinioes... e faz essa cagada.. fala serio.. tomara que ele faça um carta mesmo!!
bjoo

mamãe polvo disse...

Nossa, fiquei surpresa, um absurdo sem tamanho!

Comunicação disse...

NOTA DE ESCLARECIMENTO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

Em relação à edição de sexta-feira (7 de maio) do Boletim "Mais Brasília", com Alexandre Garcia, o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde contesta e esclarece as seguintes informações:

1. A infecção pelo HIV não restringe os direitos sexuais nem os direitos reprodutivos dos cidadãos. Como o próprio Alexandre Garcia afirmou na sua coluna, "a saúde é direito de todos e dever do Estado". Não permitir que pessoas que têm HIV/aids tenham filhos é tirar delas o direito à cidadania. Negar isso é violar os direitos humanos fundamentais.

2. É a segunda vez que o jornalista discrimina as pessoas que vivem com HIV/aids em suas declarações. Uma lástima e um retrocesso para o jornalismo brasileiro. A primeira vez pressupõe desinformação, a segunda é uma clara demonstração de preconceito. Com o avanço da terapia antirretroviral no Brasil, há comprovado aumento da sobrevida e melhora significativa na qualidade de vida dos soropositivos. O diagnóstico não é mais uma sentença de morte. Pelo contrário, essas pessoas hoje fazem planos, querem casar e constituir família.

3. A afirmação de que o Ministério da Saúde está estimulando pessoas com HIV a engravidarem é equivocada. A decisão de constituir família é pessoal. No caso das pessoas que vivem com HIV, o Ministério da Saúde deve fornecer informações que possibilitem ao profissional de saúde orientar cada pessoa que deseje ter filhos com as informações mais precisas – sempre embasadas na melhor evidência científica disponível. Países como a Itália e a Inglaterra publicaram, recentemente, recomendações semelhantes. Os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) precisam saber sobre os métodos e riscos envolvidos nessa decisão, pois eles possuem esse direito – se assim desejarem – e já o fazem. Não cabe ao governo interferir no desejo da mulher de ter ou não filhos, mas sim permitir que essas mulheres que querem ser mães tenham seus filhos nas condições mais seguras para elas, para seus parceiros e para seus futuros bebês. Isso não é uma novidade. Em 2008, por exemplo, 3 mil mulheres sabidamente soropositivas engravidaram, comprovando essa realidade. O que se percebe na fala do jornalista é um preconceito descabido e uma desinformação que não condiz com o veículo sério do qual ele é porta-voz.

Comunicação disse...

4. Desde meados da década de 1990, seguindo padrões internacionalmente estabelecidos, o Ministério da Saúde dispõe de um conjunto de diretrizes para prevenção da transmissão vertical do HIV. Essas medidas buscam a promoção dos direitos sexuais e reprodutivos de brasileiros e brasileiras. Estudos nacionais e internacionais comprovam que, quando todas as medidas preventivas são tomadas – uso de medicação antirretroviral durante pré-natal e parto, inibição da lactação e tratamento do bebê por seis semanas – a chance de transmissão do HIV da mãe para o bebê é reduzida para menos de 1%. Ao afirmar que a iniciativa “é uma maluquice”, o jornalista demonstra desconhecer os avanços científicos que reduzem a possibilidade de transmissão do HIV para o filho. O comentarista também deveria saber que o simples fato de “respingar sangue” de uma mulher infectada pelo HIV, durante o parto, não é suficiente para que ocorra transmissão do vírus. O controle da infecção em ambientes hospitalares pressupõe rotinas com precauções universais, não só em relação ao HIV, mas também no que se refere a outras doenças. Além disso, vários artigos científicos sobre o assunto foram publicados recentemente, mostrando a correlação entre transmissibilidade do HIV quando a carga viral é indetectável no sangue, no esperma e nos fluidos vaginais. Tais estudos tornam mais claros os riscos, dependendo da situação clínica de cada indivíduo.

5. Reduzir o número de crianças infectadas pela transmissão vertical, como vem acontecendo no Brasil, tem sido um avanço. O Ministério da Saúde conta com o apoio da emissora para dar à população a informação correta, sem preconceitos, de forma inclusiva, permitindo que essas pessoas exerçam a sua cidadania. Uma declaração discriminatória, como feita pelo jornalista Alexandre Garcia, traz um enorme prejuízo para às pessoas que vivem com HIV/aids.

Atenciosamente,


Mariângela Simão
Diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde

Postar um comentário

Oba! Oba ! Você vai comentar!!